Voltar

Gestação e melasma: entenda a relação

Gestação e melasma: entenda a relação

As alterações hormonais podem desencadear manchas na pele. Saiba quais cuidados tomar

Gestação e melasma: entenda a relação

4 Junho 2024

 

Durante a gravidez, as mulheres passam por uma série de mudanças hormonais que podem afetá-las de diversas maneiras, e uma das manifestações comuns dessas alterações é o melasma.

 

O melasma é uma mancha de coloração marrom acinzentada na pele, de surgimento súbito, que geralmente aparece na face, mas também pode atingir outras regiões do corpo, como braços e colo.

As causas do melasma não estão bem definidas, mas sabe-se que fatores associados a alterações hormonais, exposição à luz e ao calor e predisposição genética atuam na hiperpigmentação da pele.

 

Quais os fatores por trás das manchas na gravidez?

O melasma é uma condição dermatológica complexa, que pode ser desencadeada ou agravada por diversos fatores. Entre os principais, destacam-se:

 

  • Alterações hormonais – mudanças hormonais, como as observadas durante a gravidez, podem intensificar a produção de melanina (o pigmento responsável pela coloração da pele), desencadeando o melasma.

 

Mas isso não acontece somente na gravidez. Alterações hormonais significativas, como as que envolvem o uso de anticoncepcionais ou terapia de reposição hormonal, também podem ativar o problema.

 

  • Exposição ao sol, luz visível e calor – a radiação ultravioleta, a luz visível (aquela que enxergamos a olho nu) e até mesmo a exposição ao calor (mormaço) podem desencadear o melasma ou piorar uma mancha já existente.

 

Embora as luzes artificiais contenham baixos índices de radiação ultravioleta, a luz visível dos ambientes, inclusive dos internos, pode piorar as manchas.

 

  • Genética – a herança genética desempenha um papel importante no surgimento das manchas não apenas durante a gestação, mas em diferentes fases da vida. Assim, é essencial que as filhas de mães afetadas por melasma adotem cuidados extras para prevenir o problema.

 

 

Cuidados essenciais para uma pele saudável

Embora o melasma não tenha cura definitiva, é possível controlá-lo e tratá-lo a ponto dele se tornar quase imperceptível.

O tratamento exige uma abordagem abrangente, envolvendo cuidados tópicos, procedimentos dermatológicos e medidas preventivas para controlar e reduzir as manchas na pele.

Vale lembrar que é crucial procurar a orientação de um dermatologista ao decidir a melhor estratégia a ser adotada, especialmente no caso das mulheres grávidas.

Alguns dos métodos mais eficazes incluem:

  • Cuidados tópicos – com o uso de cremes clareadores indicados por um médico, que ajudam a reduzir a pigmentação da pele.
  • Procedimentos dermatológicos – como aqueles que removem camadas superficiais da pele e tratamentos à base de laser e luz pulsada, que visam destruir as células produtoras de pigmento na pele.

 

Invista em prevenção para evitar o melasma

A prevenção do melasma é a forma mais eficaz de minimizar o surgimento de manchas indesejadas na pele. Para lidar com a condição, especialmente durante a gravidez, é essencial adotar algumas medidas.

  • Proteção solar – diariamente, use um produto com FPS acima de 50 e reaplique pelo menos uma vez ao longo do dia, mesmo em casa ou no escritório. Na praia ou em situações de muita exposição ao sol, reaplique o protetor a cada duas horas.
  • Prefira protetores com cor – o pigmento que dá tom ao produto atua como barreira física de proteção para a pele.
  • Evite exposição solar intensa – fuja do sol nos horários mais intensos (entre 10h e 16h) e utilize acessórios como chapéus, bonés ou guarda-sóis para proteger a pele do sol.

Com os cuidados adequados e acompanhamento médico, é possível gerenciar o melasma de forma eficaz.

 

Saiba mais sobre a saúde da sua pele. Leia: Alimentos que fazem bem para a pele

 

Fontes: Sociedade Brasileira de Dermatologia, Sociedade Brasileira de Dermatologia SP, Universidade de São Paulo


Agência SA 365 | Edição e Revisão: Unimed do Brasil

Revisão técnica: equipe médica da Unimed do Brasil


Média (50 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em